Documento sem título
 
Buscar notícia:
 Colunas
- Página Principal  
- Charge do Dia  
- To de Olho  
- Classificados  
- Espaço Aberto  
- Informática  
- Papel de Parede  
- Piada do Dia  
- Parabólica  
- Bancos  
 Links
- Busca  
- Esportes  
- Email Gratuito  
- Horóscopo  
- Notícias  
- Facebook  
- Portais  
- Sites Uteis  
- Wikipédia  
- You tube  
 Serviços
- Boletim Pecuário  
- Configura Email  
- Downloads  
- Fale Conosco  
- Meu IP  
Tempo
Webmail
Destaque Social
 
- 21/11/2016
Corregedoria quer ‘pente-fino’ do MPE nas transições para evitar abusos
Recomendação é válida para todo o estado
A Corregedoria-Geral do MPE-MS (Ministério Público Estadual) recomendou que todas as promotorias de Justiça instaurem procedimento administrativo para acompanhar a transição tanto de gestões nas Prefeituras quanto na Câmaras Municipais. O intuito é evitar que haja danos ao patrimônio público.

Também há recomendação para que seja instaurado procedimento preparatório ou inquérito civil imediato para apurar fatos que configurem improbidade administrativa.

De acordo com o Diário Oficial desta segunda-feira (21), as recomendações foram feitas em parceria com o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça do Patrimônio Público e Social, que deve orientar os promotores de Justiça neste sentido.

A justificativa é de que em período de transição, ou seja, troca de mandatos, surgem inúmeros relatos que demonstram agravamento de crise de gestão financeira nos municípios.

Também apontam má gestão de recursos públicos, dilapidação de patrimônio, atrasos de salários, destruição de documentos públicos, não pagamento de fornecedores de material e prestadores de serviços, paralisação completa da rede pública de saúde, configurando, em tese, atos de improbidade administrativa e crimes previstos na legislação penal.

Já a segunda recomendação, de aplicação imediata, tem objetivo de apurar fatos que configurem improbidade, dano ao erário decorrente de ações dolosas ou culposas de gestores ou servidores públicos, crimes contra a administração pública, corrupção ativa ou passiva, adotando-se medidas judiciais de urgência, para garantia do patrimônio público e a continuidade dos serviços públicos.

Em Campo Grande o atual prefeito e o eleito, Alcides Bernal (PP) e Marquinhos Trad (PSD) respectivamente, já começaram as reuniões com as equipes de transição.

Fonte: Midiamax

Webmail
Publicidade
Enquete


© Todos os Direitos Reservados - ECONET - 2002 - 2007